Da periferia para os palcos do teatro

sexta-feira, novembro 10, 2017
Imagem da peça Oniri Ubuntu, realizada pelos aprendizes da Fábrica de Cultura Jaçanã
Os espetáculos teatrais abordam temas como intolerância religiosa, desigualdades sociais, homofobia, machismo, racismo e transfobia

Oferecer a vivência de todas as etapas da montagem de um espetáculo – roteiro, iluminação, sonorização, cenário e atuação – é a proposta do Projeto Espetáculo, programa que integra as atividades das Fábricas de Cultura das zonas norte e sul, instituições da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, gerenciadas pela Poiesis.
A edição de 2017 buscou inspiração no mito de Arcádia, terra em que o amor seria possível como espaço irrestrito e comum, partindo da relação entre experiência subjetiva (amor e suas facetas) e território (espaços ocupados na cidade). O resultado final são cinco espetáculos, apresentados entre 08 e 26 de novembro nas Fábricas de Cultura Brasilândia, Capão Redondo, Jaçanã, Jardim São Luís e Vila Nova Cachoeirinha. O projeto é uma produção conjunta entre adolescentes e jovens entre 12 e 21 anos, orientados por educadores e diretores. A dramaturgia é construída coletivamente. Logo, os aprendizes
desenvolvem os roteiros a partir de suas experiências, ideais e visões de mundo. Os trabalhos de iluminação, produção, cenografia, figurino são realizados com a participação ativa e envolvimento de todos os participantes.
No programa desse ano, partimos do princípio que, para compreender o sentimento amoroso como expressão de cada sujeito, é necessário compreender também o território social que o delimita, expande ou redime; conta Ivan
Delmanto, um dos orientadores artísticos do Projeto Espetáculo 2017.

As apresentações são gratuitas e os ingressos precisam ser retirados com uma hora de antecedência nas Fábricas. Veja abaixo a descrição completa dos espetáculos: 

Capão Palace | Capão Redondo | 12, 15, 17 e 18/11
O edifício da Fábrica de Cultura Capão Redondo ganha dimensão ficcional para abrigar em suas salas, corredores e escadas o Capão Palace, iniciativa imobiliária obscura que pretende vender o bairro e transforma-lo em um enorme condomínio de luxo. Seguranças higienistas, ministros de fé investidores e médicos pouco ortodoxos fazem parte do quadro de funcionários
do conglomerado. Enquanto clientes são recebidos para tratar de negócios, Orlante, morador do bairro, rompe o sistema de segurança em busca de Monalisa.

 Oniri Ubuntu | Jaçanã | 15 a 19/11
Entrelaçando imagens de momentos históricos distintos, Oniri Ubuntu realiza uma montagem na qual ancestrais dos povos africanos estão vivos e falam de possibilidade e outros destinos aos seus descendentes brasileiros. Omama é uma pele de terra ao sul do Equador, habitada pelos Mundurobás. Em Omama, a terra, o ar, a água e o fogo são seres, têm coração e respiram. Os ancestrais desta terra também estão vivos e falam através das Oniris, as pedras da memória de Omama. Um submarino chega à pele de terra e diante dessa invasão os Mundurobás resistem.

 Aroé. Corpo-vestígio | Jardim São Luís | 16, 17, 18, 24 e 25/11
Em sua busca pela desaparecida Monalisa, Orlante é guiado por uma mulher-pássaro, um psicopompo – palavra grega que define aquele cuja função é guiar o ser humano entre dois ou mais eventos significantes. Coveiros e construtores, seres andróginos e misteriosos, guardam o tempo e as fronteiras da Cidade-Corpo e da Cidade-Vestígio, permitindo que Orlante atravesse a porta de entrada das cidades para encontrar Monalisa.

 Os Escafandristas | Vila Nova Cachoeirinha | 17, 18, 24, 25 e 26/11
A ação da peça se passa em 2057. Uma empresa está recrutando trabalhadores para cuidar do reconhecimento e restauro dos objetos encontrados nas ruínas de um prédio desativado há muito tempo. Aqueles que são escolhidos realizam a tarefa de explorar o lugar, e vão encontrando vestígios do passado. Em meio a esse processo de busca e restauro, descobrem muitas chaves de entendimento da história. Descobrem, também, um documentário feito por jovens há 40 anos, que é a chave de entendimento de toda aquela missão de busca.

 Cidade de pedras, corpo em ruínas | Brasilândia | 23 a 26/11
O trabalho é uma narrativa alegórica que procura refletir sobre as diversas formas assumidas pela violência patriarcal no meio urbano. Violência imposta aos corpos dos trabalhadores, à natureza, principalmente, ao corpo feminino.
Esta peça reflete o desejo de imaginar outras estruturas possíveis, recriando territórios não violados, onde possam ser ouvidas vozes das mulheres-Pauliceia que, embora sejam pedras fundamentais, são tantas vezes invisíveis nesta cidade.

Fábricas de Cultura
As Fábricas de Cultura são espaços de acesso gratuito que disponibilizam diversas atividades artísticas. Criadas com o objetivo de ampliar o conhecimento cultural por meio da interação com a comunidade, as Fábricas oferecem uma programação cultural diversificada. Em cada unidade você encontrará: cursos e atividades, bibliotecas e estúdios de gravação.

POIESIS
A instituição, que tem por objetivo o desenvolvimento sociocultural e educacional, com ênfase
na preservação e difusão da língua portuguesa, desenvolve e gere programas e projetos, pesquisas e espaços culturais, museológicos e educacionais voltados para o complemento da formação de estudantes e público em geral. A POIESIS trabalha com o propósito de propiciar espaços de acesso democrático ao conhecimento, de estímulo à criação artística e intelectual e de difusão da língua e da literatura.

SERVIÇO: Projeto Espetáculo 2017

Capão Palace | Capão Redondo
08, 12, 15, 17 e 18/11 às 19h00 (sessão extra dia 12/11 às 17h00)
Local: Rua Bacia de São Francisco, S/N

Oniri Ubuntu | Jaçanã
15/11 às 15h00; 16 e 17/11 às 15h30; 18/11 às 15h00; 19/11 às 16h00
Local: Rua Raimundo Eduardo da Silva, 138

Aroé. Cospo vestígio | Jardim São Luís
16, 17, 18, 24 e 25/11 às 20h00
Local: Rua Antônio Ramos Rosa, 651

Os Escafandristas | Vila Nova Cachoeirinha
17, 18, 24, 25 e 26/11 às 19h00
Local: Rua Conselheiro Moreira de Barros, 3997

Cidade de pedras, corpo em ruínas | Brasilândia
23 a 26/11 às 15h00 (sessão extra dia 25/11 às 20h)
Local: Avenida General Penha Brasil, 2508


www.fabricasdecultura.org.br | Acessibilidade no local.

Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.